Primeira oficina Innovation Writing deu voz ao ecossistema de inovação capixaba na cobertura do ESX


Com um novo ciclo de desenvolvimento, o Espírito Santo passa por uma transformação intensa baseada na inovação e na tecnologia. No entanto, os atores desse ecossistema enfrentam inúmeros desafios para se inserir nessa nova economia, e uma delas é a dificuldade de encontrar espaço na mídia tradicional para falar sobre as iniciativas que surgem diariamente e impactam a forma como a sociedade se organiza, consome, aprende, pensa e se conecta.

Em uma pesquisa com pessoas relacionadas ao ecossistema de inovação capixaba sobre a comunicação que o envolve, foi identificada uma dificuldade de implementar essa nova agenda no contato com jornalistas, que precisam cobrir assuntos muito abrangentes no dia a dia das redações e não têm tempo de se aprofundar em um universo com conceitos, linguagem e dinâmica muito específicos.

O WhitepaperDocs nasceu com o objetivo de contribuir para esse ecossistema, dando espaço a iniciativas de inovação, colaboração e diversidade. Por isso idealizou a oficina Innovation Writing, que teve sua primeira edição realizada em parceria com Sebrae-ES, Sicoob e Hub Fucape. De 29 de novembro a 5 de dezembro de 2021, quatro estudantes de Jornalismo tiveram a oportunidade de fazer uma imersão intensiva no ecossistema de inovação capixaba e, em seguida, participar da cobertura do ESX – Espírito Santo Innovation Experience, o maior evento de inovação do Estado, realizado por Sebrae-ES, com co-realização do governo do Estado e apoio da Mobilização Capixaba pela Inovação (MCI).

Andressa Antunes, Breno Alexandre, Gabriela Brito e João Vitor Castro deram voz aos atores, contaram histórias, apresentaram para a sociedade a transformação intensa pela qual passamos e criaram conexões para que as pessoas inseridas nesse ecossistema possam conversar e potencializar o impacto de suas iniciativas.

Fazer a cobertura de um evento sobre inovação entendendo o que os entrevistados estavam falando e sabendo fazer perguntas qualificadas sobre um tema tão desafiador foi uma experiência transformadora para os quatro estudantes. A oficina teve sua primeira edição encerrada com a produção de 37 conteúdos para os quatro dias de evento, uma média de quase 10 reportagens por dia, dando destaque a iniciativas, novos negócios, ações de colaboração e diversidade, além de entrevistas.


Equipe do WhitepaperDocs na cobertura do ESX 2021: Andressa Antunes, Gabriela Brito, Andressa Oliveira, Erlon Boechat, Breno Alexandre, Joanna Ferrari e João Vitor Castro
Jornada

Com oito horas de treinamento e 38 horas de prática, a Oficina Innovation Writing proporcionou uma imersão intensiva no ecossistema de inovação, explicando o significado de termos específicos desse universo, o papel de cada ator, como incubadoras, hubs, aceleradoras, labs etc, e apontando o que é importante que um jornalista entenda antes de escrever sobre o tema.

Foram seis horas de palestras com alguns dos principais nomes relacionados ao tema no Estado: Denis Ferrari, diretor da Azys Inovação; Felipe Valfre, CEO da InnLaw – Hub de Inovação Jurídica; e Juliana Binda, especialista em inovação do FindesLab. O treinamento contou ainda com o planejamento da cobertura, feito pela editora do WhitepaperDocs e mentora da oficina, Joanna Ferrari.

A jornada intensa de aprendizado seguiu no evento, onde os estudantes tiveram a oportunidade de entrevistar autoridades como o governador do Estado, Renato Casagrande, e secretários de Estado, além de executivos de empresas inovadoras com atuação global, presidentes e diretores de entidades relacionadas à inovação e ao empreendedorismo, importantes nomes da Academia e fundadores de startups que estão transformando o cenário capixaba.


Andressa Antunes, 21 anos, estudante do 8º período de Jornalismo na Ufes


“Além da experiência jornalística inigualável, tive a oportunidade única de me aprofundar em um tema que me rodeia, mas pouco conhecia. A inovação é o nosso presente e futuro, então poder acrescentar esse conhecimento à minha formação foi extraordinário. Outro ponto muito importante foi voltar a praticar o jornalismo presencial, tendo contato com as pessoas, o que foi prejudicado com a pandemia.”


Breno Alexandre, 20 anos, estudante do 6º período de Jornalismo na Ufes


“A oficina foi uma experiência indescritível. Estar em contato com o mundo da inovação já tendo passado por uma imersão de conhecimento me fez ter um olhar completamente diferente quanto à forma de produzir jornalismo. Além do lado profissional que foi desenvolvido, o crescimento pessoal também é muito grande. Ver muitas ideias sendo desenvolvidas, estar em contato com as pessoas, que são muito acessíveis e têm interesse e vontade de ajudar, é inspirador!”


Gabriela Brito, 21 anos, estudante do 8º período de Jornalismo na Ufes


“Eu imaginei que seria uma experiência importante para minha formação, mas para além disso: foi transformador estar imersa no ecossistema de inovação capixaba e compreender a importância da área para nossa sociedade. Além de desempenhar o importante papel de ser uma agente da informação, foi muito satisfatório sentir que as fontes estavam gratas por ter quem se interessasse em saber como eles impactam o mundo. Foram quatro dias de adrenalina, correria e, ao mesmo tempo, muito aprendizado. Sou grata àqueles que promoveram esta oficina e recomendo a todos os estudantes de jornalismo que, se houver a oportunidade, se entreguem a este grande desafio.”


João Vitor Castro, 21 anos, estudante do 8º período de Jornalismo na Ufes


“Eu estava empolgado desde o início porque seria minha primeira experiência prática e imersiva em uma das coisas que mais admiro no Jornalismo: a cobertura rápida, a correria, o contato direto com a fonte no momento certo etc. Mas foi mais intenso do que eu imaginava. Sinto que aprendi muito nesses quatro dias e com certeza vou sair da faculdade muito mais preparado depois dessa oficina. Uma experiência que todo estudante de Jornalismo deveria ter.

Além disso, foi incrível imergir no universo da inovação e do empreendedorismo de uma forma que nunca imaginei. Nos quatro dias de imersão e depois nos quatro dias de evento aprendi coisas que certamente não aprenderia sozinho, e o melhor: mudei completamente a minha visão sobre esse meio, sobre as pessoas e organizações que o compõem. E se permitir mudar de visão é sempre mágico e essencial. Não pensei duas vezes pra aceitar o convite para a oficina e que bom que foi assim.